3 de out de 2010

O despertar da primavera

Foto: dur maciel

O despertar da temporada

Zé Adão Barbosa (1958) abre a temporada de espetáculos que celebram os encerramentos de oficinas e de cursos de formação de atores da capital gaúcha. Inaugurada no início de março, a Casa de Teatro de Porto Alegre obteve bastante destaque da mídia por sediar o Ponto de Encontro do último festival Porto Alegre em Cena, o maior evento do gênero no planeta. Seu diretor, ao lado dos sócios Jeffie Lopes e Fejão, é reconhecidamente um dos maiores diretores de teatro gaúcho, além de um ator também muito premiado. A cidade terá a oportunidade de conhecer em breve sua biografia no lançamento do livro em sua homenagem, Gaúchos Em Cena volume II. Sua trajetória como professor de teatro é somente comparada a da Mestre Olga Reverbel, falecida há pouco mais de um ano sem um terço das honras da classe artística que lhe caberiam. Nesse texto, o diretor interessa mais do que o professor e o administrador. O espetáculo O despertar da primavera estreou no Theatro São Pedro, a mais nobre casa do teatro gaúcho, oferecendo, sem dúvidas, mais uma obra artística digna de muito respeito e, sobretudo, atenção.

Frühlings Erwachen foi escrita em 1890 pelo escritor alemão Frank Wedekind (1864-1918). É sua segunda peça e, embora agora seja muito famosa, por décadas, esteve abaixo de A caixa de Pandora e O espírito da terra. Aos vinte e um anos, Wedekind decidiu ser escritor e empregou sua vida nessa carreira, embora a tenha dividido nas funções de ator, cantor, maquiador, entre outras. Precoce, seus textos antecipavam o expressionismo, que haveria por ganhar força na Europa no século XX, indo em exata oposição ao realismo, estilo dominante nas artes no fim do século XIX. O despertar da primavera foi proibido na Alemanha tão logo fora lançado. Alguns anos depois, foi apresentado na Inglaterra e censurado novamente. Em 1917, o mesmo aconteceu nos Estados Unidos. Somente em 1974, o texto foi montado integralmente na Europa. Em 2006, a Broadway produziu a versão musical conseguindo oito Tony Award ( incluindo Melhor Musical) dos onze a que fora indicado. O mesmo sucesso se repetiu em todo mundo. No Brasil, a versão assinada por Charles Moeller e Claudio Botelho, ganhou três prêmios APTR e um Shell, com várias indicações em ambos. Essa montagem gaúcha é terceira assinada por Zé Adão Barbosa. A primeira, de 1993, trazia Luciano Mallmann, Betina Muller, Tiago Real, Marisa Rottembert e Luciana Éboli no elenco. A segunda, de 2001, contava com Sissy Venturin e José Alessandro, além de outros nomes que se tornaram bastante conhecidos após as referidas produções. Iniciando a análise crítica, há, em cena, trabalhos que merecem positivo destaque.

Aparte o que Wedekind fez no texto dramático, Zé Adão Barbosa desloca o conflito chave do seu lugar original. Não está no relacionamento sexual de Melchior Gabor (Tiago Dornelles) e Wendla Bergmann (Natália Karam) o centro da narrativa. Com participações importantes, a dupla não colore suficientemente seus personagens na apresentação de estreia. Karam é forte e intensa, sobretudo quando divide a cena com Rose Canal (Sra. Bergmann), sem dúvida, um dos grandes nomes que o espetáculo apresenta. Mas Dornelles constrói um Melchior sem profundidade, sem vibração e superficial em muitos momentos. Toda a sua interpretação está presa a sua voz e sem corpo, dificuldade essa também enfrentada por vários do elenco na primeira noite de apresentação, a primeira, na maioria dos casos, de suas vidas enquanto atores. O mesmo, no entanto, não se vê em Vanessa Garcia (Ilse) e em Guilherme Zanella (Moritz Stiefel). Garcia levanta o público de suas cadeiras quando entra para a primeira de suas duas únicas cenas. É leve, é viva, é presente. O texto lhe cai naturalmente no dizer e seu corpo se movimenta com a liberdade que Wedekind parece ter quisto para todos os personagens jovens. Mas, acima de tudo e de todos, o maior ganho que essa montagem de O despertar da primavera traz para a cidade é Zanella. O jovem ator multiplica sua formação, dá vida ao seu personagem com a intensidade que se espera, confere-lhe pausas e movimentos, corporifica as intenções. Coadjuvante original, sendo aquele que se suicida devido ao seu fracasso escolar, nessa produção, ele protagoniza, o que é válido considerando que as opções estéticas do diretor cênico devem ser sempre superiores às decisões do autor literário, desde que justificadas coerentemente como é o caso. O quadro do suicídio,assim,divide com galhardia a história com os demais quadros, a saber, a gravidez na adolescência e o aborto fatal, a masturbação, o homossexualismo, a relação familiar, a escola. Deve-se dizer, no entanto, que esse último é o pior construído dentre todos que, sendo bons, tornam esse ainda pior.

Ao construir um texto que apenas aponta para algo que, um dia, se tornará o expressionismo, Wedekind, por mais que quisesse, não conseguiu se desvincular de seu pior inimigo: Henrik Ibsen. Assim, ainda que haja situações expressionistas, em que o mais importante seja a forma como cada personagem se vê e vê o outro e não como o mundo os esteja vendo, o texto proferido, o diálogo, tem manchas realistas das quais o dramaturgo não se desvencilhou nesse seu segundo texto. A começar pela base dramática de cada cena, podemos notar que muito pouco acontece além da masturbação e dos beijos homo e heterossexual. Cena após cena, o que se ouve e vê são pessoas conversando sobre algo que já aconteceu fora de cena (uma prova de latim, um sonho, uma historia familiar, um medo, uma festa na casa de um pintor, um fato) ou que vai acontecer (a ida ao reformatório, a cegonha, a morte...). Os embates dramáticos só existem enquanto comentários de decisões já tomadas anteriormente (a expulsão do colégio, a punição, não conversar sobre sexo com a filha), sendo que a única decisão de fato tomada em cena aberta é o pedido de Moritz a Gabor para que ele lhe escreva o que sabe sobre sexo numa carta. Tudo isso aqui dito quer deixar claro a importância que o diálogo assume em Wedekind em relação a sua própria intenção contextual. A versão da Broadway transformou os personagens em popstars de sucesso cantando com microfones na mão, por exemplo. Charles Moeller conferiu um ar romântico situando as cenas em um musical mais tradicional em que se canta o se sente mais do que o que se faz. Zé Adão, que não construiu um musical, não mexeu na construção dos personagens jovens, deixando o expressionismo apenas para os personagens adultos. Com isso, talvez, tenha querido dizer que os jovens são o filtro pelo qual os espectadores olham a peça, o que deixaria bastante exposto o fracasso de Wedekind em criar o expressionismo em apenas parte da narrativa em não em toda ela. De outro modo, os alunos deveriam ter também suas cores carregadas. A opção da direção, seja por fidelidade à intenção do dramaturgo ou por decisão estética, desequilibra a obra (ou reforça o seu desequilíbrio). As aparições dos professores pesam o espetáculo, poluem a história, atrapalham. O diálogo puro, sem tantas informações, já traz em si a crítica de Wedekind sem a necessidade de caras, bocas e movimentos carregados tão ao máximo. Em questão, está o caso da carta de Melchior Gabor encontrada nas coisas de Moritz logo após o seu suicídio. A decisão do diretor é expulsar Melchior, mas os professores, ao invés de tratar seriamente do caso, discutem sobre a abertura de uma janela na sala. Diante disso, a crítica já é visível sem precisar de nada além.

Quanto à parte técnica da obra, O despertar da primavera chega com bons figurinos e com um cenário em que seja possível a construção de momentos bastante ricos. Em contrapartida, na primeira noite do espetáculo, a operação de luz e de trilha sonora protagonizou os momentos mais terríveis de uma produção tão cheia de bons valores, incluindo a escolha da própria trilha sonora, músicas da banda inglesa de indierock Radiohead. Não sendo favorável a uma ideia que felizmente agoniza, a de que, em estreias, tudo é desculpável, faço questão de ressaltar que os apontamentos, tanto positivos como negativos, dizem respeito a um dia de apresentação. Dia em que a cidade festeja o nascimento de mais um espetáculo com qualidades artísticas, esse acontecido em plena ressaca do Porto Alegre em Cena, trazendo, dentre muitas, uma discussão: o sexo ainda é ou não é tabu?

Produtores e diretores atentos: os espetáculos de formatura começaram!

*


FICHA TÉCNICA

TEXTO: Frank Wedekind (1864-1918)
DIREÇÃO: Zé Adão Barbosa

ELENCO:

Danniel Coelho - Diretor
Francisco Gick – Homem Mascarado
Guilherme Zanella - Moritz Stiefel
Isabella Guimarães - Martha Bessel
Leandro Schimitt - Sr. Gabor e Padre
Mariana del Pino - Professora Fliegentod
Natália Karam - Wendla Bergmann
Rayane Fraga - Thea
Raquel Braga - Professora Züngenschlag
Richard Biglia - Hanschen Hillow
Rose Canal - Sra. Bergmann
Tiago Dornelles - Melchior Gabor
Tomás Paixão - Lammermeier
Vanessa Garcia - Ilse
Vinicius Ellwanger - Ernst Robel e Servente Habebald
Vivi Schwäger - Sra. Gabor

ASSISTENTE DE DIREÇÃO: Francisco Gick
TRILHA SONORA PESQUISADA: Zé Adão Barbosa e Francisco Gick
PREPARAÇÃO CORPORAL: Thais Petzhold
CENOGRAFIA: Fabiana Schwager
FIGURINOS: Fabrízio Rodrigues
MAQUILAGEM: O grupo
PROJETO GRÁFICO: Daniel Jainechine e Fabiana Schwager
ILUMINAÇÃO: Moa Junior
OPERAÇÃO DE SOM: Rafael Mentges
DIVULGAÇÃO: Lauro Ramalho
VÍDEO: Daniel Jainechine
FOTOS: du.r.Maciel
PRODUÇÃO: Vanja Ca Michel
REALIZAÇÃO: Casa de Teatro de Porto Alegre

18 Comentários:

Anônimo disse...

Rodrigo, apenas uma pequena correção no nome do dramaturgo: é Wedekind, com G no fim. Abraço.

Anônimo disse...

Gosto muito de suas criticas. Também assisti a estréia e parece que o diretor se preocupou apenas com os atores, por serem novatos, e esqueceu que a peça é um conjunto de atividades que devem estar em harmonia. Luz e som têm que ter cuidados especiais. Será que não se percebeu estas falhas no ensaio geral? Ou não teve ensaio geral com tudo afinado?

Marcos

RP disse...

Gostei da tua critica, pois também não gostei da cena da reunião dos professores, e percebi as falhas da iluminação da trilha. Achei o Zanella muito bom mesmo, ainda mais para um estreiante que é. Senti falta das cenas em que Ilse conta que sofria incesto e a relação que ela tem com a Marta que é irmã dela.

Anônimo disse...

No Foyer do São Pedro havia uma bela exposição de fotos...
Talvez as mais belas fotos que já vi sobre este texto...

Obra deste rapaz: http://durmaciel.com

Carlos.

Anônimo disse...

Tenho grande admiração por esse texto - uma obra-prima. Assisti ao espetáculo nos dois dias. Com toda certeza, são nítido erros técnicos de iluminação e sonoplastia. Entretanto, nada que prejudique ou mesmo seja o fator para não considerar o espetáculo impecável. Mas, deve-se atentar e destacar que na estréia esses problemas foram grandes e incomodaram, o que na segunda noite, seja por ensaio, seja por mudanças, seja por menos pressão da estréia, foram, quase, solucionados.

Agora, quanto à cenas, como a cena do julgamento de Gabor pelos professores, por exemplo, soa como uma indelicadeza tamanha crítica. Isso porque, a discussão da abertura de janelas é tal e qual, o texto original de Frank. Desta forma é injusto abordar a crítica como foi feita. Ora, trata-se de um texto de um grande dramaturgo e sabemos que a discussão da abertura das janelas não é tão simples e superficial assim. Existe por trás disto subjetividade e críticas da maneira como a escola abordava o tabu do assunto naquele momento discutido.

Agora, devemos ter um certo cuidado no que diz respeito a interpretação dos atores. Vale lembrar que estamos falando de atores sem nenhuma ou pouca formação teatral. Muitos, até onde pouco e sei, pisam no palco pela primeira vez. Assim, é idelicadeza muito grande da crítica - a respeitavél - criticar com uma abordagem tão forte o elenco. Em nenhum momento encontrei o elogio - merecido - a esses jovens que nitidamente amam o teatro e trabalharam muito para mostrar o trabalho. Pelo contrário, existem argumentos desrespeitosos. Indelicadeza também, não trazer o nome de todos os atores do elenco e sim, somente os dos que mais destacaram-se.

Particularmente, gostei muito de trabalho da Vanessa Garcia, de Guilherme Zanela, de Tiago Dorneles, de Natália Karam e de Rose Canal. Com toda certeza, foram destaque na montagem. Personagens marcantes que, a mim e a muitos agradou, e muito. São nomes que prometem.

Torço que esses jovens ao lerem essa critica não se assustem. E sim, continuem na busca de aperfeiçoamento e amantes do teatro e da arte. Fico feliz em pensar que se continuarem a estudar, grandes atores teremos em nossa cidade.

Deixo aqui, aquilo que todo os espectadores da montagem - no mínimo - deveriam disser e que nessa crítica, se quer passou subentendido: parabéns!

Anônimo disse...

*dizer

Marina disse...

Adorei a crítica, Rodrigo! Texto bem escrito, com bons argumentos de quem conhece teatro.
Parabéns!!
Só para dizer do "Anonimo" aqui em cima, discordo completamente dele. Nao achei sua crítica indelicada em nenhum momento, mesmo podendo ser. Arte, independente de ser inicinate ou nao, deve e merece um olhar atento e analítico.

Anônimo disse...

A Natália Karam, o Tiago Dornelles e o Guilherme Zanella foram intensos e deram sustentabilidade para a peça, conseguiram levar seus personagens até o final, com a mesma força. Não que os outros atores não fizeram isso, digo isso deles porque são os portagonistas, e protagonistas precisam fazer isso que eles fizeram, além de terem carisma e beleza, fatores importantes para cativar o público. A Vanessa Garcia foi enérgica. A Rose Canal me pareceu uma atriz profissional. Quero ver denovo!

Anônimo disse...

Eu fiquei maravilhada com a peça e concordo com muitas coisas que disses, como por exemplo a atuação do Guilherme Zanella. Era praticamente inacreditável um menino tão novinho ter feito aquilo em seu primeiro trabalho profissional. Depois da cena do suicídio achei que não ia mais o ver, mas me enganei plenamente e só não o vi denovo como o vi melhor ainda na cena do cemitério (que é no mínimomagnífica).

Anônimo disse...

Assisti ao espetáculo no último domingo. Uma sucessão de aplausos preencheu o São Pedro de ponta a ponta. O que um teatro cheio de parentes não faz? Quanto ao espetáculo, lamentei o fato de cenas importantes para o contexto da obra terem sido tratads como mera "Malhação". Faltou brilho, talento e profundidade em vários momentos. O único destaque que faço são para os figurinos, realmente primorosos. Quanto ao cenário, lamentável os dois praticáveis que estavam dispostos a frente do palco não terem sido aproveitados também como os túmulos dos dois jovens. Muita caricatura na representação dos professores e pouquíssima profundidade nas atuações. E a cena final, lembrei muito de "Thriller". De mau gosto e a maquiagem do ator parecia a do Coringa. É isso aí.

Fernando disse...

Ao contrário dos especialistas, vou pouco ao teatro e desconhecia a obra de Wedekind (assim?).

A ignorância me fez muito bem.

Achei o texto ótimo e a encenação linda.

Me achei nas interpretações, revivi minha adolescência, enxerguei uns professores e relembrei de colegas. Ausência paterna, incompreensão, sexualidade, gravidez precoce e violência ainda são reflexões sociais, me encontrei em tudo.

Quanto aos atores, achei incríveis, especialmente a Ilse (que é Sob Medida), e o Melchior um incompreendido a frente do seu tempo.

Prá mim a peça cumpriu seu papel, me atingiu em cheio.

Todos estão de Parabéns!

Em Tempo: bicho carpinteiro, pigarro, criança chorana e celular! DEIXEM DE FORA!

Abraços
Fernando

Rodrigo Monteiro disse...

Estou impressionado com os comentários. Não concordo com todos eles, claro, mas estão muito bem escritos, coerentes, e dirigidos todos para o espetáculo. Será que finalmente conseguimos discutir sobre uma peça sem ofender ninguém pessoalmente?! Depois do que leio aqui, penso que sim. O que deve deixar todos muito felizes!

Anônimo disse...

Fiquei surpresíssima ao ler a crítica. Achei que os três protagonistas foram maravilhosos. Natália Karam, Tiago Dornelles e Guilherme Zanella foram ótimos. Principalmente os meninos que tinham uma química que me deixou de queixo caído, parecem melhores amigos mesmo (se é que não são na vida real). E tinham uma energia contagiante. São carismáticos e com muita beleza. Tenho convicção, e nós da classe artística sabemos que esses três são os grandes nomes de atores em suas faixa etárias de idade em Porto Alegre.

Zé Adão Barbosa disse...

Adoro a crítica do Rodrigo e adorei as considerações sobre o Despertar. Algumas um pouco agressivas. Não se trata nenhum artista desta forma, mesmo que o comentarista tenha muito mais talento e conhecimento de causa que o diretor criticado, não sei se é o caso dos que postaram seus comentários. Houve pesquisa, trabalho, suor e muito cansaço. Não foi uma montagem para "parentes" como insinuado por um "anônimo" (odeio anônimos) e sim para numa platéia adolescente que precisa ser representada no palco. Para os que foram educados eu vou explicar: A cena dos professores é "mea culpa" total e dirigiria novamente assim se pudesse. Tenho um livro escrito pelo Wedekind em que ele sugere que a cena seja dirigida de forma expressionista, quase caricata (os nomes dos professores em alemão querem dizer: bunda de macaco, cara de rato) ou seja, segundo o autor, é a forma com que os alunos enxergam os professores, como monstros, caricatos e arrogantes. Assim como ele causou revolta em muitos setores, certamente os professores também não gostaram de ser retratados assim. Eu, via os meus professores assim, com mais temor do que respeito. Além dos mais, é uma cena longa, muito texto, preferi trazer algum humor pra não ficar chata.
beijos, Zé Adão

Márcia disse...

Sou uma espectadora comum, gosto de ir ao teatro por um bom texto e atores vibrantes. O espetáculo tem que me emocionar , divertir e pensar. Eu vi isto na peça.Um texto que deveria ser visto por adolescentes, professores e pais já que o tema não envelheceu. Esta transição para a vida adulta é um dilema universal e atemporal. Quanto aos atores, apesar da juventude, ou até por isso, conseguiram levar o texto e me emocionar. A peça é para o público e estou sempre aprendendo, inclusive com a tua crítica; bastante técnica,bem fundamentada e muito bem escrita, mas que não mudou a minha opinião a respeito da peça .Nao final, a emoção e o respeito com o público é o que mais vale para mim.

Rodrigo Monteiro disse...

Deus me livre querer mudar a tua opinião sobre o espetáculo, Márcia! Ao contrário, adorei ler a tua e saber que, em partes, tivemos impressões diferentes. E não poderia ser diferente: você pegou uma peça, eu outra e, só se houvesse um jeito de juntarmos todas as peças, é que teríamos o todo.

Aproveito a minha vinda aqui nos comentários para dizer com letras maiúsculas:

COMENTÁRIOS MAL EDUCADOS NÃO SERÃO ACEITOS!

Anônimo disse...

Caro Rodrigo. Já nos conhecemos pessoalmente em algumas oportunidades e como já lhe disse admiro muito seu trabalho. Sempre escreve críticas coerentes, fundamentadas e muito bem escritas. Entretanto desta vez, acredito que a primeira vez, devo dizer que não concordei. Assisti o espetáculo no domingo com dois amigos, um deles é ator também já o outro apenas gosta bastante de teatro e assiste a muitos espetáculos. Nós três concordamos no mesmo ponto, ficamos encantados com a interpretação dos dois meninos, Melchior e Moritz, Tiago Dornelles e Guilherme Zanella. Eles estavam brilhantes. Concordo plenamente com o que já foi dito aqui em outros comentários, tinham uma química, são carismáticos e levaram seus personagens até o final com a mesma intensidade. Já conhecia o trabalho da Vanessa Garcia também e já falei com ela em alguma oportunidade, essa foi maravilhosa também. O espetáculo como um todo foi muito bom, me atingiu em cheio. Parabéns a direção. E, já que não tive a oportunidade de dar pessoalmente, parabéns especial para esses 3 atores que me referi, fizeram um belíssimo trabalho.
Grande abraço Rodrigo, continuo a conferir sempre seu trabalho.

João Pedro

Anônimo disse...

O Despertar da Primavera informa: Quem não assitiu a peça e ficou com vontade de assitir, a montagem volta para o Teatro Renascença, dias 5, 6 e 7 de novembro. Obrigado pelos elogios e pelas críticas construtivas, vamos ensaiar e trabalhar para corrigir o máximo que podermos para a próxima apresentação.

Grupo do Despertar

  ©Template Blogger Green by Dicas Blogger.

TOPO