18 de abr de 2011

Dramalhão e os Fossa 7


Foto: DuR Maciel

A pequena parte teatral no grande show musical


“Dramalhão e os Fossa 7” é um show musical cujo repertório é composto por músicas de temática “Fossa”. Todas as letras trazem em sua organização um personagem que sofre por um amor que terminou. Escolhidas após muita pesquisa, as canções fazem um retrato da música brega do último século. Vingança, Demais, Luz Negra, Sufoco, Ninguém me Ama, Lama, Eu não Sou cachorro não, Se eu te agarro com outro te mato, Maldita Cocaína e Mano a Mano, numa tradução inédita de Artur de Faria, são alguns dos títulos interpretados por Zé Adão Barbosa e os Fossa 7. Quatro músicos (Edinho Espíndola, Marcão Acosta, Luciano Mello e Paulo Inchauspe) e três cantoras (Vanessa Garcia, Tainá Galo e Manu Meneses) somam os sete que acompanham Zé Adão no palco.

O que um texto sobre um show musical faz num blog de críticas teatrais? O teatro é um sistema de unidades heterogêneas, cujos significados podem ser (e geralmente são) direcionados de forma homogênea. Isto é, música, artes plásticas, cinema, literatura, culinária, geologia, política, todos os sistemas culturais mantidos pelas diversas sociedades emprestam suas unidades ao teatro que os ressignifica e os torna teatrais. No caso de “Dramalhão e os Fossa 7”, o processo é inverso. É o teatro quem empresta unidades geralmente suas para o show musical. Tratam-se dos movimentos e da organização sistêmica na composição de um todo significativo. Essa análise assim será tão parcial quanto é a utilização do teatro no referido show. Ninguém vai assistir a um espetáculo como esse para ver como os músicos se movimentam ou como tudo faz sentido, mas, essencialmente, para ouvi-los tocar e cantar. Edith Piaf, por exemplo, não tinha banda ou orquestra atrás de si na maior parte de suas apresentações e quase não me mexia. Do ponto de vista teatral, Piaf era um fracasso. Mas alguém poderá dizer que não era e não é um grande prazer ouvi-la?

Uma análise teatral pouco tem a considerar sobre Zé Adão Barbosa, protagonista do show, que pouco se movimenta em cena e quando faz faz de forma a engrandecer o seu trabalho enquanto músico e intérprete das canções e dos poemas que diz. Sobre o seu dizer, Zé Adão tem uma dicção perfeita e uma entonação que eleva os valores das letras escolhidas, fazendo a assistência sorrir de identificação diante da profunda dor dos seus autores. O mesmo resultado positivo, no entanto, não se encontra no que diz respeito às cantoras, as backing vocals, que acompanham o cantor. Em primeiro lugar, elas estão posicionadas num lugar equivocado. Exatamente atrás de Zé, elas concorrem com o protagonista e atrapalham nossa visão sobre o cantor, a grande estrela da noite. Em segundo lugar, o grande excesso de movimentos suja a cena e leva o repertório para estruturas significativas que parecem ter sido dispensadas pelo diretor na ocasião da escolha do repertório. Em forma de pergunta: se as músicas são sobre dor e tristeza, por que as três cantoras sorriem o tempo todo, dançam alegremente e balançam as mãos quase em toda a extensão do show sem unidade? Enquanto Zé dá uma unidade para as canções, com poemas, frases e a própria interpretação das músicas, suas acompanhantes agem em sentido oposto: falta coreografia, falta discrição, falta concentração.

É muito interessante notar o sentido transformacional da dor em “Dramalhão e os Fossa 7”. As primeiras canções são bastante sofridas e todo o grupo de músicos estão organizados para esse fim. As letras, no entanto, vão se transformando de forma que as últimas dão um tom de “sim, eu sofri, mas agora eu já me recuperei.” Nesse sentido, a ordem de execução das músicas está posta de forma elogiável, embora pudesse estar ainda melhor se fosse acompanhada por um figurino que realçasse ainda mais o clima noir das primeiras canções. Os chapéus dos músicos, os vestidos longos das cantoras e a roupa discreta de Zé Adão estão muito adequadas e informam indiretamente sobre o que é o espetáculo, mas vale dizer que poderiam estar acompanhadas de outras ratificações que essa análise não pretende sugerir.

Ao dirigir esse show, Arthur de Faria oferece um excelente material para uma reflexão sobre a parte mais importante de seu objeto: a música. Essa análise, infelizmente, se esquiva de dar algum parecer sobre a afinação dos instrumentos e a qualidade dos cantores, embora afirme que a assistência foi um excelente divertimento, uma noite e uma temporada a qual Porto Alegre deve acorrer, saudar e valorizar. Fica o convite para os críticos de música escrever sobre esse espetáculo, investindo na ilusão de que é possível eterniza-lo.

*

Ficha técnica:

Direção musical – Arthur de Faria
Interpretação: Zé Adão Barbosa
Vocais – Marcelo Delacroix
Músicos: Edinho Espíndola, Marcão Acosta, Luciano Mello e Paulo Inchauspe.
Back Vocals: Vanessa Garcia, Thainá Gallo e Manu Menezes
Iluminação: Marguinha
Vídeos: Daniel Jainechine
Fotos: DuR Maciel
Divulgação: Camila Ali
Figurinos: Fabrizio Rodrigues
Produção: Luccas Gonçalves e André Oliveira
Realização: Casa de Teatro de Porto Alegre

Seja o primeiro a comentar

  ©Template Blogger Green by Dicas Blogger.

TOPO