24 de mai de 2009

Negrinho do Pastoreio


Foto: Jorge Etecheber


Arroz com feijão*

Foi na saída do espetáculo Medéia, direção de Luciano Alabarse, no Teatro São Pedro, que ouvi uma das avaliações mais interessantes sobre uma peça feita aqui em Porto Alegre. Uma neta (?) conversava com sua avó (?) sobre a tragédia a que todos tínhamos acabado de assistir quando a senhora disse: “É um espetáculo importante.” Não é apenas bom. Não é apenas adequado. Não apenas “querido” e, muito menos, interessante. “É um espetáculo importante!” O Negrinho do Pastoreio, na mesma intensidade, é um espetáculo importante.

Código Teatral: trocando em miúdos.

É sabido: arroz com feijão é o prato típico brasileiro.

Olhos abertos: o arroz é também o prato típico da culinária oriental (japonesa?). Feito de uma forma determinada é o que essencialmente comemos quando vamos a um restaurante onde servem também peixe cru. Da mesma forma, o feijão um pouco mais apimentado é servido dentro de um pão num restaurante mexicano da Cidade Baixa como prato típico daquele país. Assim, quando dizemos que “arroz com feijão” é o prato típico da culinária brasileira, não nos vem à cabeça qualquer feijão, nem um arroz que não seja branco e soltinho. O prato é redondo e a comida está quente. O feijão é preto e pedaços de carne não estão inclusos na imagem-base. Arroz com feijão é arroz com feijão e pronto.

Não é qualquer Negrinho do Pastoreio que é importante. O que me vem à cabeça é o espetáculo produzido pela Oigalê Cooperativa de Artistas Teatrais.

A hospitalidade, marca da cultura gaúcha, que serve chimarrão a desconhecidos e divide normalmente cangas protetoras contra o pó do Parque da Redenção, anuncia o espetáculo que vai começar. A voz forte, seja ela grave ou aguda, de quem não tem vergonha de si e reconhece-se como dominante no ambiente. “Buenas e me espalho! Nos pequenos dou de prancha e nos grandes dou de talho” – já dizia o célebre Capitão Rodrigo Cambará em “O Tempo e o Vento” de Erico Verissimo, sem nunca ter tido acento.

Botas de couro, bombachas, saias longas e palas. A lenda do Negrinho do Pastoreio, cristalizada pelo contista Simões Lopes Neto, não é uma lenda urbana dos magrinhos do Bonfa. Estamos na estância, no pampa, num tempo e num espaço do imaginário coletivo rio-grandense, onde está fundamentada toda a base da figura mítica que chamamos de gaúcho.

Concurso de trova (na cena do desafio entre o estancieiro e seu vizinho), a carreira (entre o cavalo baio e o cavalo mouro), a oposição entre o senhor da estância (que não tem nada a ver com um senhor de escravos de cartola a la “Escrava Isaura”) e aqueles a quem o primeiro nem mesmo olha nos olhos (escravos, pedintes, vizinhos, inimigos e, na mesma gamela , a própria esposa) são elementos dessa dramaturgia tão rica e gratamente exposta de forma tão coesa, sensível e nobre.
As atuações, que nos fazem pensar não apenas em teatro, mas em teatro de rua, nos convocam a pensar sobre o que se conhece por “presença cênica”. O Oigalê impõe a sua presença (André Carrera chama o teatro de rua de “teatro de invasão”) e não nos deixa outra alternativa que não corresponder a sua simpatia. O espaço cênico está separado por uma linha de erva mate e não nos é permitida a entrada. Mas os atores desfilam pelo espaço do público, autores de soluções para eventos que surgem ao acaso, como um homem que insiste em querer participar fisicamente das cenas, uma criança que informa o paradeiro misterioso de tal personagem ou uma marcação que não aconteceu como estava previsto em um momento em que eu, público, estava absorto com algum outro acontecimento. O ritmo nunca é quebrado, o universo nunca é desfeito e o épico brechtiniano sobrevive em Porto Alegre, quando nos emocionamos com as músicas e com a figura de Nossa Senhora Aparecida, sem conseguir perder de vista a ordem de quem é a vez na roda de chimarrão que eu acabo de servir.

Entender um elemento cênico como um código teatral é vê-lo, ao mesmo tempo, de duas formas: como parte de um sistema com outros códigos e como, o próprio elemento, um sistema micro cujas significações só se dão pelas relações resultantes entre o arroz e tudo o que se relaciona a ele e também os distanciamentos daquilo que não é a ele relacionável e o mesmo com o feijão. A importância dessa assistência consciente, prazer em ver esse espetáculo do Oigalê, está não por isso ou por aquilo, mas por tudo: pela história, pela cultura, e, principalmente, pela sensação de unidade que uma fruição como essa possibilita ao seu público.

Quem mora longe do Brasil saliva muito mais por um prato de arroz com feijão do que por qualquer outra comida.

* Crítica também publicada na Revista Informe C3 #4.

*
Ficha Técnica

Texto Simões Lopes Neto
Adaptação Hamilton Leite e Paulo Gaiger
Direção Sergio Eitchichury
Atuação Giancarlo Carlomagno, Hamilton Leite, Juliana Kersting, Paulo Brasil e Vera Parenza
Músicas Gustavo Finkler
Preparação vocal Cristiano Hanssen
Figurino Vera Parenza
Adereços Oigalê C.A.T
Arte gráfica Vera Parenza
Iluminações Paulo Fontes
Máscaras Ricardo Vivian

1 Comentário:

Julio Conte disse...

Belo comentário. Despertou a vontade (e também a necessidade) de assistir a peça´.

  ©Template Blogger Green by Dicas Blogger.

TOPO