9 de dez de 2008

XIII FESTIL DE GRAVATAÍ


DISCURSO DE PREMIAÇÃO: Política Cultural

Durante 30 anos, a pasta pública responsável pela educação em Gravataí se chamou Secretaria Municipal de Educação e Cultura.Há alguns anos, a última palavra saiu do pomposo nome e a sigla ficou apenas SMED. Pois, por que não, ao invés de Fundação Municipal de Arte e Cultura, também apenas FUNDARTE, sigla também sem a palavra “cultura”?
______

O FESTIL – Festival de Teatro Estudantil de Gravataí chega ao dia da premiação de sua 13ª edição. Reunidos, o corpo de jurados assistiu a 16 espetáculos produzidos por estudantes de Gravataí e cidades que vieram nos honrar com suas histórias. Fadas que tinham idéias, retratos que falam, palhacinhos que conhecem Shakespeare, cigarras e formigas. Grupos de Movimento de resistência, de vilas populares, de escolas municipais, estaduais e particulares e,também, de oficinas. Crianças da Educação Infantil e jovens do Ensino Médio. Cenários de cetim, flores de TNT, palco vazio e cenas na platéia. Na platéia quase vazia.
Se são estudantes, onde estão as escolas? Professores, diretores, funcionários... Se são crianças, onde estão as palmas, o choro, a baba e as fotos dos pais e parentes? Se são jovens, cadê os olhares invejosos dos amigos? Se são de Gravataí, onde estão os governantes (Presidente da FUNDARC, Secretário de Educação,Coordenador Estadual de Educação, Prefeito, Presidente da Câmara e delegados do OP? Se são artistas, cadê os atores de Gravataí? Cia de Atores Independentes,Grupo Teatrar, Grupo Vivências, Grupo 100 Limites, Associação de Artes Cênicas? Se são notícia, por que não a programação no Correio de Gravataí, entrevistas no Diário da Cidade, fotos e depoimentos para a posteridade?
Cá ficamos na 1ª semana de dezembro de 2008 a lembrar de FESTIS com 8 mil espectadores, quando os alunos-atores ganhavam transporte, camiseta, lanche e prestígio fora do palco, assim como aplausos sobre ele. Quando as escolas, mais que estudantes independentes, valorizavam o teatro, se preparavam durante o ano e coroavam o projeto GRUPO DE TEATRO ESTUDANTIL no FESTIL: evento que iniciou tantos artistas de agora e deu graça à vida de tanta gente.
Vale lembrar do 1º FESTIL, em 1996. Uma lona de circo, uma arquibancada suja, um tablado de madeira e serragem no chão. O 13º FESTIL só foi melhor que o primeiro por causa da cortina, da luz e do palco? E quanto ao que aconteceu ao redor dele? E sobre ele? Com exceção de alguns alunos da Profª Lilia, os grupos vieram, apresentaram e se foram. Que argumentos terão para comparar os resultados que aqui serão divulgados a seguir? Concordar, discordar, aprender e crescer?O FESTIL não é um evento de estudantes? Como estudantes, qual a nota que daríamos para tudo isso?
Sirmar Antunes, Evandro Fernandes e eu, as únicas três pessoas que assistiram aos 16 trabalhos apresentados gostaríamos de falar sobre o quê a cidade perdeu em não vir, em não ter disponibilizado a vinda, em não ter valorizado a vinda: o prazer de ver:
· Aconteceu no natal
· Romeu e Julieta
· Assunto: Mulheres
· Você é muito especial
· Ação direta é a arma que nós temos
· A palhaçada dos relacionamentos
· O baile
· A roupa nova do Rei
· Os Cigarras e os Formigas
· O retrato
· A farsa da esposa muda
· O medo do papãozinho
· A fada que tinha idéias
· O olheiro
· O velório
· Humberto, Doisberto e Tresberto...

Fica, enfim, o pedido a todos, mas sobretudo ao futuro presidente da FUNDARC e à futura Secretária Municipal de Educação, por favor, façam o 14º FESTIL melhor que os 13 anteriores e somente pior que o 15º. Mas, também, que venham aqui olhar no olho e no brilho de cada aluno-ator para ter a certeza de que estão fazendo algo para a evolução do ser humano, já que esse é o motivo principal da existência da arte.

Quanto à CULTURA, ela, de fato, não é tarefa exclusiva da Secretaria de Educação. Tampouco da Fundação de Arte. A Cultura é tarefa, dever e tema de casa de todos nós. OBRIGADO!

* Com licensa do autor de falar sobre teatro em Gravataí num espaço para o teatro de Porto Alegre.

2 Comentários:

Helena Mello disse...

Muito bom este teu texto e muito importante também. Estou repassando aos meus colegas de mestrado.

Leandro Léo Bock disse...

Olá tudo bem
Belas palavras viu, eu como um participante de 3 Festivais(2005,2006,2007)eu acho muito importante esses puxões de orelha que dão nos secretários da educação pois eles queriam nos tirar a arte(teatro) de nós, nos deixando apavorados e abalando as estruturas de nosso grupo.
Mas tenho muito a agradecer ao pessoal do festil que graças a eles hoje tenho meu próprio grupo e também tenho 2 lembranças do festil, na verdade são mais, mas esses são especiais, que são duas premiações de melhor ator e ator coadjuvante.
Obrigadu por tudo, e me esperem no festil 14.
Leandro Léo Böck

  ©Template Blogger Green by Dicas Blogger.

TOPO